Mitos e verdade sobre o parto humanizado

Se você está considerando ter um parto humanizado para dar à luz ao seu filho, você está no lugar certo! Aqui, explicaremos o que é o parto humanizado e vamos esclarecer alguns mitos e verdade sobre o assunto.


Clínica Mitera - Mitos e verdades sobre o parto humanizado

Primeiro, vamos entender o que realmente é o parto humanizado. “A humanização não tem a ver com um tipo de parto apenas. Tem a ver com respeito, autonomia e evidências científicas para tomada de condutas durante o parto!”, explica Dra Luciana Motoki, obstetra da Clínica Mitera. Dessa forma, em todo parto humanizado há o respeito às escolhas da mãe sobre como o filho virá ao mundo.


No parto humanizado há também a assistência individualizada e a preservação do protagonismo da mãe no processo de nascimento do filho. Com isso, essa forma de dar à luz ao bebê torna-se uma experiência positiva, uma vez que não é traumática ou violenta, não há excesso de medicação e complicações que podem ocorrer em consequência do excesso de remédios.


Agora que você entendeu o que é o parto humanizado, vamos esclarecer alguns mitos e verdades sobre o assunto! Confira!


Todo parto normal é humanizado

Mito. No parto normal, pode haver intervenções no corpo da mulher sem o seu consentimento, como o corte na vagina para facilitar a passagem do bebê.


“No parto humanizado, se houver intervenções que possam ser necessárias, elas são realizadas com o consentimento da gestante após ser informada da justificativa com base na ciência. Não há a realização de procedimentos de rotina para todas as mulheres, elas são tratadas como indivíduos, cientes das suas escolhas”, explica Dra. Luciana.


A cesárea pode ser utilizada no parto humanizado

Verdade. Quem trabalha com a assistência humanizada ao parto sabe que pode ser necessário recorrer à cesariana. “Quando isso acontece, é possível que a operação seja realizada de maneira mais acolhedora, respeitando o momento da família. As luzes podem ser reduzidas, o ar condicionado desligado, a equipe fica em silêncio, sem conversas paralelas, e os procedimentos podem ser explicados à paciente”, explica Dra Luciana.


As mãos não são imobilizadas, é possível abaixar o campo cirúrgico para que ela visualize a saída do bebê. O recém-nascido é colocado diretamente no colo da mãe e eles ficam ali durante a primeira hora de vida, com o auxílio do pediatra ou da enfermeira.


A mulher não recebe anestesia no parto humanizado

Mito. Dra. Luciana explica que o uso da anestesia contra a dor é uma escolha da mulher. “Se ela sente necessidade de alívio da dor por meios farmacológicos, cabe à equipe acolher a sua escolha”.


O parto humanizado é perigoso para a mulher e para o bebê

Mito. No parto humanizado há o respeito à fisiologia da mulher. Isso não significa um parto normal a qualquer custo. Se houver necessidade de intervenção, inclusive uma cesárea, ela será indicada.


A mulher sente muita dor no parto humanizado

Mito. Durante o trabalho de parto, é permitido que a mulher se movimente livremente para encontrar a posição mais confortável, além de serem oferecidos métodos não farmacológicos para alívio da dor, como massagem, chuveiro, banheira e a presença de acompanhante. Tudo isso torna a vivência da dor mais amparada e mais positiva.


“As mulheres que optam por esse tipo de assistência preferem deixar a anestesia como último recurso para lidar com a dor e, por terem apoio da equipe para uso de outros métodos, muitas vezes, acabam não utilizando a analgesia”, conta Dra. Luciana.


Todo parto humanizado é debaixo d’água

Mito. O parto humanizado pode ser debaixo d’água, mas não é um fator obrigatório. A mulher precisa escolher se será dessa forma.


Esperamos ter ajudado você na escolha pelo parto humanizado. Agende uma consulta com a sua obstetra e faça do parto um momento consciente e especial.