Assoalho pélvico e gestação

Durante a gestação, com o aumento do peso e do tamanho do útero, ocorre também um aumento da pressão dentro do abdome, o que sobrecarrega ligamentos, fáscias e os músculos do assoalho pélvico.



Os processos de gestação e parto geram diversas transformações no organismo materno, que podem favorecer o desenvolvimento de lesões na musculatura do assoalho pélvico.


O assoalho pélvico é formado por um conjunto de músculos localizados abaixo da cavidade da pelve, cuja função é dar suporte aos órgãos pélvicos e auxiliar na manutenção da continência urinária e fecal.

Durante a gestação, com o aumento do peso e do tamanho do útero, ocorre também um aumento da pressão dentro do abdome, o que sobrecarrega ligamentos, fáscias e os músculos do assoalho pélvico. Dessa forma, se o assoalho pélvico não estiver preparado para essa sobrecarga à medida que a gravidez evolui, pode surgir uma incontinência urinária de esforço.


Para prevenir ou minimizar a perda de urina, são recomendados exercícios de fortalecimento do assoalho pélvico durante a gestação. Esse trabalho de fortalecimento pode ser iniciado a partir da 13ª semana de gestação, após a liberação do médico obstetra e sempre deve ser orientado por um fisioterapeuta especializado. O fisioterapeuta irá avaliar o períneo e orientar como devem ser realizados os exercícios perineais.


Além de pensar no fortalecimento do assoalho pélvico na gestação, para as mulheres que desejam um parto vaginal, é importante também ter o cuidado de evitar ou minimizar lesões da musculatura do assoalho pélvico pela passagem do bebê em seu nascimento, e assim reduzir dor e desconforto perineal após o parto.


Então, para reduzir a resistência dos músculos perineais, aumentando sua flexibilidade e evitando traumas gerados pelo parto e por lacerações, pode ser utilizada a massagem perineal e também um dispositivo que treine o alongamento da musculatura, simulando um parto vaginal. Essas duas técnicas também devem ser orientadas por um fisioterapeuta especializado, para que se obtenha um resultado positivo sem gerar danos para a musculatura do assoalho pélvico.


É importante ressaltar também, que após a gestação, independente da via de parto (vaginal ou cesárea), o acompanhamento fisioterapêutico deve ter continuidade para prevenir e tratar possíveis incontinências e fortalecer o assoalho pélvico sobrecarregado pela gestação, trabalho de parto e parto.


Dra. Ana Paula Sanaiote Portela

E-mail: recepcao@mitera.com.br

Telefone: (11) 3889 7081

Whatsapp: (11) 995 894 455

  • @clinica_mitera
  • Grey Facebook Icon

Rua Mário Amaral, 172

Cj. 84/85 - 8º andar

Paraíso - São Paulo, SP

04002-020

Criado por Hale Hana Design.

Diretora técnica:

© Clínica Mitera.

Dra. Beatriz Baaklini Gerônymo

CRM 121.193 | RQE 43.216/43.217

Imagem14.png